Arquivo | abril, 2012

A causa do analfabetismo político no Brasil

9 abr

O analfabetismo político no Brasil é sem dúvida o maior e mais danoso à sociedade que o quadro social formado pela “sucateação” da educação. Em meados dos anos 1980 em diante… As crianças e jovens brasileiros, estudantes de escolas públicas, tornaram-se vítimas da progressão continuada, uma espécie de passe livre para a formação escolar. Manobra essa dos representantes políticos, que certamente assistiram as revoltas estudantis dos “anos de chumbo” ocorridos na ditadura militar.

O analfabetismo político foi percebido quando ao ler jornais, nos cadernos de economia e política o jovem não entende as palavras utilizadas para explicar as mudanças ocorridas no nosso país, quando crianças formam-se na escola sem saber a tabuada de cor, contando nos dedos, sabendo ler sem entender o que lê. Assim temos mais do que analfabetos funcionais e políticos, temos os tais brasileiros que causam a indignação da minoria esclarecida, a qual não se cansa de reclamar desse “povo ignorante que só pensa em futebol e carnaval”.

Ká Sant’Ana

Batman Begins

6 abr

Um filme classificado como aventura, mas poderia muito bem ser classificado como suspense psicológico, pois a principal diferença entre este e os filmes anteriores de Batman é, a mensagem da “superação do medo”, como uma maneira de se livrar da opressão interna que existe em cada um de nós, todos temos medo de algo, e para viver é preciso superar aquilo que nos paralisa. No filme há muitas frases de efeito que remete a reflexão sobre, ao que damos valor ? Uma frase que eu gosto muito é: “Sabe porque caímos? Para aprendermos a ficar em pé”. Está pergunta acompanhada imediatamente da resposta, soa como se a personagem perguntasse diretamente ao telespectador, ensinando que apesar de nossas limitações sempre podemos fazer algo que ainda não fizemos. Gosto da figura retratada deste Batman, mais humano, guerreiro determinado, meio “samurai” que luta para vencer o mal em si próprio e no mundo a sua volta. Sem dúvida um verdadeiro guerreiro, como muitos de nós gostaríamos de ser.

Em um determinado momento do filme tem uma cena cuja frase remete como muitos se sentem vivendo neste mundo: “as pessoas não são definidas por quem são interiormente, e sim pelo que fazem”.  De fato não somos reconhecidos, pela maioria, por quem somos no íntimo, mas pelo o que fazemos e quanto isso contribui de forma positiva à sociedade. Logo, penso que o que nos torna únicos nesta vida não é o nome que confere nossa identidade e sim a história que escrevemos.

“A grande reportagem”: tema posto em discussão sem exposição da real situação

2 abr

O UNICEF: O Fundo das Nações Unidas para a Infância vem combatendo essa prática há muito tempo, o casamento infantil no mundo, quero deixar claro, que não tenho intenção de levantar bandeira a favor da ONU ou não. Veja o que está envolvido nesses casamentos e o quanto compromete a vida das meninas que muitas vezes casam com incríveis oito anos. Na Índia o matrimônio é permitido a partir dos 18 anos.

Casamento infantil, o que está envolvido?

– Alto índice de aborto entre as meninas menores de 18 anos.

– Elas são maltratadas, violentadas, e impedidas de estudar, trabalhar e serem financeiramente independente.

– Muitas engravidam antes de terem o corpo suficientemente formado para gerar filhos, e por isso morrem de hemorragia entre outros problemas ocorridos na hora do parto.

Não é raro ver homens com idade para ser pai ou avô dessas meninas, tomando-as como esposas. Em alguns países, as meninas são dadas pelos pais como moeda de troca, para pagar dívida de jogo, ou para não perder terras. Isso acontece inclusive na Índia. O que eu ainda não entendi é porque “a grande reportagem” do Domingo Espetacular nesse último dia 01/04 não falou nada sobre isso?

Shantal: noiva infantil, indiana de apenas 8 anos